19.4 C
Paramirim
1 de julho de 2022
Início Paramirim Você É Um Escravo Moderno?

Você É Um Escravo Moderno?

Assista ao Vídeo:

Escravo Moderno

A sociedade humana sempre pautou seus mecanismos de trabalho e progresso movidos pela energia oprimida de cativos. Foi assim com os árabes, com os negros africanos e está sendo neste exato momento da modernidade com grande parte da população mundial. O homem moderno que se acha dono do seu nariz, um feliz liberto, vivente e fruto da democracia, no fundo das raízes profundas do sistema não passam de meros escravos modernos. A sociedade confabula uma histeria universal sem se dar conta da tolice em que está atolada até a goela. É a mesma máxima do peixe dentro d’água, imerso no líquido não se dá conta do mundo em que deixa fluir os dias e a vida.

Primeiro devo-lhe lembrar: “Você vai morrer!”. Isso mesmo. Vou repetir para que fique bem claro em sua fantasiosa mente: “Você vai morrer!”. E não há nada que se possa fazer perante esta certeza terrestre. Aquele que ganhou de Deus a oportunidade da existência, herdou também a certeza universal do perecer. Se sempre tivéssemos claro esta frase em nossa consciência, talvez, viveríamos melhor em uma sociedade mais igualitária e feliz.

O escravo de quem estamos falando, é cativo de si mesmo, ou de leis sociais que entranharam de tal forma pelo ambiente que parecem ser princípios divinos. Já somos domesticados ainda na barriga da mãe. A loucura é geral, arbitraria e cruel. São legiões mais legiões se lançando neste fogo diariamente. E quanto mais pessoas se deixam se seduzir, mais atração elas conseguem perante as demais. Seria um vício em escala planetária?

O homem atual acorda de madrugada. Quem diria: é ele quem acorda o galo e não o contrário. Trabalha feito condenado em campo de concentração. Alimenta-se mal. Quase não dorme. Anda com a saúde debilitada. Contudo, não, a conta bancaria tem vários dígitos. Ele tem vários automóveis, um monte de imóveis, bastantes investimentos, grandes fazendas, têm aqueles que possuem aviões e iates. O que eles não desfrutam é de tempo e liberdade.

Se já dissemos que iremos morrer, é bom trazer a luz outro dito popular: “Caixão não tem gavetas”. Como a cultura popular é sábia, de uma capacidade interpretativa da realidade assustadora, bem mais inteligente do que a massa humana. Outro ditado popular: “O cemitério está cheio de pessoas importantes”. Alguns nomes: Galileu, Einstein, Beethoven, Maquiavel, Camões, etc. Até o tal do Nietzsche que havia determinado a morte de Deus já está encaixotado debaixo do chão a bastante tempo. E aí ficamos nós imersos na loucura satânica de juntar um dinheiro que só existe no fetiche dos meandros de um sistema criado para ser o esqueleto do capitalismo selvagem. Se caixão não tem gavetas, para que trocar meu tempo que é finito por algo que não existe? Eu não acredito em Deus, não acredito em fantasmas, dizem muitos por aí; todavia acreditam que a matéria pode lhes pertencer.

E a loucura se dissemina pela família. O pai que trabalha o dia todo acha no direito de importar sua escravidão à esposa e aos filhos. A engrenagem só tende a ganhar força e velocidade. Se ele dá duro para levar conforto aos seus, os seus também têm por obrigação de seguir seus passos de escravo iludido. E esta praga é contagiosa, não há vírus ou droga igual. Os pobres dos filhos ainda novos já são obrigados a trabalharem arduamente na aquisição de técnicas para a garantia de lucros futuros. O pai ver o filho como herdeiro incondicional da sua burrice. E o filho sem noção da verdadeira razão da vida, acha ser aquilo normal e se deixa levar pelas águas que arrastam todos os cidadãos.

O escravo moderno vivi pela profissão, pelo seu ilusório status social. Domesticou-se ao trabalho, a rotina anual. É uma peça da engrenagem que move seu mudinho de contos de fadas. Em certa época do ano, tem que, por obrigação da moda, deixar seus afazeres e ir gastar um punhado de dinheiro em algum passeio. Tudo normal, passear é algo prazeroso aos nossos sentidos, faz bem para a alma. E quando no paraíso eles se encontram, pasmem, não conseguem usufruir de tais belezas, têm a mente voltada ao que deixou, sua preocupação está nos negócios, o medo de perder um centavo não os deixam largar o celular por um segundo sequer. Estão no paraíso, no entanto acorrentados e mutilados pelo império que levantou. Tiram fotos para mostrarem aos amigos, puras burocracias comportamentais impostas pela malha da sociedade. Para surpresa de todos, o momento mais feliz da viagem é quando pega o avião de volta, está sorridente, alegre, feliz, nem parece que está retornando ao trabalho.

O escravo moderno condicionou sua mente para ser cativo obediente e fiel. O problema todo é que os são pelo simples apego a matéria. Voltemos a repetir, sempre é bom frisar mais uma vez: “Você vai morrer”; “Caixão não tem gavetas”; “O cemitério está cheio de pessoas importantes”. Para finalizar nosso texto, outra máxima popular: “Tudo demais é sobra”. Até dinheiro!

Autor: Luiz Carlos Marques Cardoso.

Luis Carlos Billhttps://focadoemvoce.com/
Luiz Carlos Marques Cardoso (Bill) trabalha de forma amadora com fotografia e filmagem. Ele gerencia atualmente dois sites: um de notícias e um pessoal. Está presente nas redes sociais, como no Instagram e Facebook, e tem um canal no YouTube com uma variedade grande de vídeos referentes à região da Chapada Diamantina e do Sertão brasileiro. Sua formação profissional é a de Contador.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Fique Conectado

5,996FãsCurtir
3,600SeguidoresSeguir
105,000InscritosInscrever

Anuncie Aqui

Anunciando sua marca, produto ou serviço nesta página você terá a garantia de visibilidade entre usuários qualificados. São mais de 15.000 usuários únicos e 200.000 visualizações mensais.

Mais Artigos