34.2 C
Paramirim
14 de abril de 2021
Início História O primeiro paramirinhense a escrever e publicar um livro

O primeiro paramirinhense a escrever e publicar um livro

A história é definida como o olho da ciência voltado para o passado, o presente e o futuro.  Quando se trata de passado, o paramrinhense Urbino de Souza Vianna é uma referência nacional e internacional. Os frutos da sua lavra continuam vivos e cada vez mais presentes como fontes de consultas na mesa daqueles que pesquisam os fatos ocorridos no Alto Sertão da Bahia nos primórdios de sua história.

Natural das barrancas do Paramirim, onde nasceu por volta de 1880, Urbino Vianna é neto pelo lado materno do minerador Manoel José Vianna. Seus pais Manoel do Bonfim e Souza e Carolina de Magalhães Viana falecidos, respectivamente em 09 de novembro de 1907 e 31 de janeiro de1889 integram a descendência das primeiras famílias que povoaram a antigo território do Morro do Fogo na época da mineração do ouro naquelas paragens. 

Casou-se em primeira núpcias com Maria Emerenciana de Brito, filha do Capitão Júlio Bernardo de Brito e Maria Sthephania de Brito. Sem ter procriado filhos, perdeu a esposa em 10 de janeiro de 1904, com pouco tempo de casado. O seu segundo matrimônio se deu com Amélia Tunis da Silva, provavelmente filha de Licínio de Magalhães Tunis com Ana Francisca de Magalhães e Silva, portanto, neta materna do Cel. Liberato José da silva. Desse enlace nasceram os filhos: Alfonso Tunis Viana, Paulo Coriolano Tunis Viana, Maria Yara Tunis Viana, e João Bosco Tunis Viana, os quais geraram vários netos.

Depois de ter exercido alguns cargos públicos na vila de Paramirim e participado do movimento político em prol da transferência da sede do antigo município de Agua Quente para esta povoação, projeto este concretizado pela Lei estadual  n° 460, de 16 de julho de 1902, Urbino muda-se para a  cidade de Montes Claros, onde publica em 1916 uma Monografia sobre este município, baseada na obra de Antônio Augusto Veloso, projetando-se assim no mundo literário, como grande conhecedor da história do Norte de Minas e do Alto Sertão da Bahia. Após ingressar no Ministério da Agricultura, no qual exerceu vários cargos, passa a residir no Rio de Janeiro, na época capital da República. Nesta cidade era mais conhecido como professor Urbino Viana dentro do vasto círculo de amizade que construiu.

Sobre a sua obra principal ” Bandeira e Sertanistas Baianos ” sabe-se que foi publicada em 1935 pela Companhia Editora Nacional – São Paulo com 207 páginas, representa o 48° volume da Coleção Brasiliense. Aborda a contribuição dos baianos no processo de ocupação do interior brasileiro. O texto destaca como o chamado Ciclo Baiano foi responsável pela penetração dos colonizadores pelo Vale do Rio São Francisco graças à atividade pastoril. Integra roteiros elaborados pelo conhecido Jesuíta André João Antonil – o caminho entre Salvador e as minas do Rio das Velhas – e por Quaresma Delgado, explorador contratado pelas autoridades coloniais para investigar e mapear o norte de Minas e o sertão da Bahia na década de 1730. “

Com a publicação dessa obra, considerada de grande valor histórico, o cidadão Urbino de Souza Vianna, farmacêutico diplomado pela Faculdade de Medicina e Farmácia da Bahia no início do século XX, pode e deve ser considerado o primeiro paramirinhense a escrever e publicar um livro, figurando-se assim na galeria dos vultos de nossa história como legitimo detentor deste privilégio

Sobre a sua morte, ocorrida no Rio de Janeiro em 09 fevereiro de 1945, o Jornal Correio da Manhã, na sua edição de 11 do mesmo mês e ano, pagina 21, assim noticiou: ” Faleceu em sua residência à rua Moreira Sampaio, 12, no Meyer anteontem o professor Urbino Viana, funcionário do Serviço de Estatística do Ministério da Agricultura, conhecido e recatado historiador. O extinto que ultimamente fora designado para servir na Fundação Brasil Central, era um velho servidor público e estudioso de todos os nossos problemas. O enterramento do Sr. Urbino que deixa viúva e filhos maiores, realizou-se na tarde de ontem no Cemitério Inhaumam. “

Paramirim, 02 de fevereiro de 2021

Prof. Domingos

Fonte: Facebook de Domingos Belarmino.

Luis Carlos Billhttps://focadoemvoce.com/
Luiz Carlos Marques Cardoso (Bill) trabalha de forma amadora com fotografia e filmagem. Ele gerencia atualmente dois sites: um de notícias e um pessoal. Está presente nas redes sociais, como no Instagram e Facebook, e tem um canal no YouTube com uma variedade grande de vídeos referentes à região da Chapada Diamantina e do Sertão brasileiro. Sua formação profissional é a de Contador.

1 COMENTÁRIO

  1. Como paramirinhense, quero, aqui, e xternar o meu reconhecimento ao louvável trabalho, que vem sendo realizado pelo meu estimado colega de turma, que fomos, nos primórdios anos da década de 1960, Professor Domingos, no sentido de resgatar o nosso passado, a nossa história.
    O meu entedimento é de que você, Domingos, assim, presta um inestimável serviço à sua terra, à nossa amada terra. Parabéns!
    Antônio Manoel

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Fique Conectado

5,996FãsCurtir
3,600SeguidoresSeguir
105,000InscritosInscrever

Anuncie Aqui

Anunciando sua marca, produto ou serviço nesta página você terá a garantia de visibilidade entre usuários qualificados. São mais de 15.000 usuários únicos e 200.000 visualizações mensais.

Mais Artigos