29.2 C
Paramirim
1 de fevereiro de 2023
Início Paramirim O primeiro grande ganhador da loteria em Paramirim

O primeiro grande ganhador da loteria em Paramirim

Tornar-se milionário, apostando na Loteria Federal, na Esportiva, na Quina ou na Mega Sena, até mesmo na Telemania, faz parte dos sonhos de muita gente.  Enriquecer-se, de uma noite para o dia, de forma lícita, não é impossível, basta ter muita sorte e acima de tudo fazer uma fezinha em jogos que ofereçam grandes prêmios. Não, esquecer, entretanto, que o jogo de azar e as corridas de cavalo têm quebrado muitos afortunados e deixado o pobre cada vez mais pobre. Como dizia o mestre Castro Alves, a sorte dá, nega e tira. Além do mais, o jogo alimenta a ociosidade, o vício e a violência, quando tomado como alternativa de sobrevivência, por isso, muitas vezes é considerado  contravenção, se realizado aos arrepios da lei. Em compensação,   existe também o lado lúdico, que inspira a  diversão, o prazer e a recreação do espirito. Quando visto por esse ângulo, tudo vale a pena se a alma não for pequena.

Atualmente, existem no Brasil vários tipos de loterias, cada uma delas com seus atrativos e simpatizantes. Com a criação da loteria esportiva em 1970, muda-se a cultura do brasileiro. Motivado pelo desejo de ficar rico, o brasileiro incorpora mais um hábito no seu dia a dia, as vezes com pesadas consequências. No cenário esportivo, surge a figura da zebra como símbolo do contraditório e do inesperado, os sofisticados bolões entre amigos virualizam em todas pontas de ruas e a famosa expressão como ganhar na loteria sem perder a esportiva chega às telas do cinema, elencado por Costinha e outros humoristas.

Na década de oitenta, a grande novidade foi a sena, uma modalidade baseada no sorteio de seis números pela Caixa Econômica Federal, com chances de premiar as dezenas anterior e posterior à principal.

Com essa novidade, aumentam-se as chances ou as probidades do dormir pobre e acordar rico, mas que na verdade não deixa de ser mais uma sangria no bolso do brasileiro. A mais recente delas foi a criação do Dia da Sorte, em 2018, e a próxima, certamente já se acha a caminho nos cálculos do governo. Quem viver verá.

Em Paramirim, a febre das loterias não ficou por menos. Os cambistas recolhiam as apostas, levavam para a Caixa Econômica de Livramento e retornavam com os cartões perfurados. Os boiões passavam de mão em mão e aos domingos todo mundo corria para o pé do rádio ou da Tv para ouvir o tradicional TIRIRI do globo e o anúncio final dos resultados, quase sempre no Jornal Nacional, declamado por Cid Moreira, orquestrado pela vozinha da zebra “Olha eu aqui”. Se por incompetência ou por azar, a verdade é que os apostadores da paróquia de Santo Antônio não “encontravam o caminho da mina, como se diz na gíria popular. Ninguém acertava os 13 pontos ou quando assim o fazia o prêmio era dividido para milhares de acertadores, tocando uma ninharia para cada contemplado.  Com a criação da casa lotérica em Paramirim, a operacionalização das apostas passou a ser a nível local, eliminando-se a intermediação dos cambistas. O grande boom da cidade chegou com sena e o grande felizardo dessa modalidade foi o senhor João Menezes Xavier. Com apenas 16 cruzados faturou uma fortuna.

João Menezes Xavier, mais conhecido por Xavier, filho de Pedro Xavier da Silva e de Adélia Menezes Xavier, nasceu por volta de 1930, no município de Igaporã, quando este ainda era denominado de Bonito, próximo a Riacho de Santana, Bahia. Seu pai se destacou na década de quarenta como empreiteiro na abertura da Rodovia Caetité Bom Jesus da Lapa e o filho chegou a Paramirim, provavelmente no início dos anos cinquenta. como proprietário de caminhão, época em que conheceu a professora Clemência Bittencourt Xavier (Dona Tutu), filha dos fazendeiros Joaquim José da Cruz (Quincas Cruz) e Ana Rita Bittencourt Cruz, com quem procriou a filha Yolete Bittencourt Xavier, formada em medicina.

Após passar uma boa temporada fora, para tratamento de saúde, Xavier retorna a Paramirim, onde compra de Miguelziho Tunes o único bar até então existente na praça Santo Antônio, tradicionalmente conhecido pela sua geladeira a querosene e sua mesa de bilhar, um ponto de encontro de inveterados jogadores, frequentado pela elite da cidade, sem a presença feminina, dado aos preconceitos da época.

No final da década de setenta, já aposentado, Xavier passa a trabalhar como fiscal da Prefeitura de Paramirim no setor da limpeza pública, no decorrer das administrações de José Barbosa Leão e Durval Marques Leão, isto entre 1976 e 1988. Muito popular, torna-se conhecido no interior do município pelas relações de amizade que cultivou e pelo zelo do trabalho que prestava. Como bom brasileiro, gostava de futebol, do jogo de snooker, sem nunca esquecer uma cartinha do pouker, do pif e do buraco. Com a chegada da esportiva e da Sena, trocou o baralho pelas cartelas, fazendo continuadamente a sua fezinha para arriscar a sorte, como faria se ainda hoje estivesse vivo. Como reza um velho conhecido, “o dinheirinho da fé é sagrado”.

Após ter cravado o seu palpite na Scorpius, (primeira casa lotérica de Paramirim), Xavier aguardou o resultado sem dar conta de que a sorte já estava a caminho para proclama-lo um novo milionário. Dito e feito, no dia 21 de março de 1988, data do sorteio do concurso (teste) n° 3 da Loto II, seu cartão foi premiado (bilhete n° 1.339) por ter acertado as dezenas anteriores da sena principal. proclamando-se dono de uma bolada que pacificamente o aguardava na Caixa Econômica Federal. Nada mais, nada menos que

19.550.741,75 (Dezenove milhões, quinhentos e cinquenta mil, setecentos e quarenta e um cruzados e setenta e cinco centavos) a serem divididos com um segundo ganhador do mesmo concurso. Estava profetizada a sorte dá, lembrando o poeta dos escravos.

Dessa forma, fica registrado um pouco da história das loterias em Paramirim e a saga do seu primeiro grande felizardo. Sem nenhuma dúvida, o Sr. João Menezes Xavier fez por merecer o prêmio conquistado porque arriscou e acertou os números sorteados de acordo com a cartilha da Caixa Econômica Federal. Quem não arrisca, não petisca. Lamentamos dizer, entretanto, que os cruzados auferidos por Xavier em nada serviu à população local. Com a dinheirama em conta, o novo milionário transferiu sua residência para Ilhéus, litoral baiano, talvez para melhor desfrutar dos dólares faturados. Mesmo assim, a sua passagem pela terra do Rio Pequeno jamais será esquecida, até porque ninguém lhe toma a honra e a sorte, a glória e o direito de ser historiado como o primeiro grande ganhador da Lotus II de Paramirim com as dezenas 02-07-14-17-21-31, aqui mencionadas para servir de palpite para quem quiser continuar aventurando, como fez nosso distinto protagonista.

Paramirim, 19 de julho de 2021

Prof. Domingos

Fonte: Facebook de Domingos Belarmino.

Luis Carlos Billhttps://focadoemvoce.com/
Luiz Carlos Marques Cardoso (Bill) trabalha de forma amadora com fotografia e filmagem. Ele gerencia atualmente dois sites: um de notícias e um pessoal. Está presente nas redes sociais, como no Instagram e Facebook, e tem um canal no YouTube com uma variedade grande de vídeos referentes à região da Chapada Diamantina e do Sertão brasileiro. Sua formação profissional é a de Contador.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Fique Conectado

5,996FãsCurtir
3,600SeguidoresSeguir
105,000InscritosInscrever

Anuncie Aqui

Anunciando sua marca, produto ou serviço nesta página você terá a garantia de visibilidade entre usuários qualificados. São mais de 15.000 usuários únicos e 200.000 visualizações mensais.

Mais Artigos

Espirradeira A Planta

As Aves Acordando Na Lagoa

Casaca De Couro Da Lama Por Quê?

Pombinha Cantando