20.9 C
Paramirim
25 de novembro de 2020
Início Cangaço Cangaço – Episódio 11 – Chegada de Lampião no Inferno

Cangaço – Episódio 11 – Chegada de Lampião no Inferno

Assista ao Vídeo:

Chegada de Lampião no Inferno

Onde estou? Que lugar é este? Candeeiro! Zé Sereno! Canário! Mergulhão! Maria! Para onde foram todos? Que lugar estranho. Não me lembro de nada. Tenho uma nítida lembrança de tiros, de corre-corre, mas tudo está tão confuso. Para onde foram todos? Um ambiente que não tem árvores, não tem pedras, não tem som… Será se estou sonhando? Parece ser um sonho. Como vou fazer para acordar? Estou preso. Preciso voltar o mais rápido, não posso permanecer aqui por muito tempo, os macacos poderão nos atacar. Que agonia. Que sede danada. Onde posso encontrar água? Vou levantar e procurar.

Lampião saiu a vagar pelo espaço esquisito à procura de água, a sede lhe queimava a garganta, parecia ser sede de morte, nunca havia sentido algo igual antes.

Tem alguém aí? Por favor, uma cuia de água. Não aguento mais esta sede doida. Isso vai durar quanto tempo? Se for pesadelo, careço acordar. É tanta sede que beberia a água de um rio todinha e ainda não estancaria a sede. Olhe. Lá à frente tem uma pessoa sentada na cadeira ao lado de duas portas. Ela terá água para me dá, com certeza.

Um ser estranho se encontrava sentado em uma poltrona de juiz, de inquisidor, sua face era severa, suas roupas negras, terno, gravata, um homem da lei. Ele guardava as duas portas, uma azul e a outra vermelha.

Bom dia, senhor. Poderia me dá um pouco de água?

O senhor apontou com o dedo uma cabaça ao canto da porta azul. Lampião correu, agarrou a cabaça e a virou na boca. Para sua tristeza apenas uma gota escorreu da boca da cabaça e molhou sua língua ressecada.

Mais eu sou azarado, apenas uma gota. Uai! Uma simples gota estancou a sede que estava, passou, sumiu. É mágica? Este senhor deve ser muito importante. Se ele me ensinasse estes truques, eu farei miséria no sertão.

Lampião, você sabe onde você se encontra? Ainda não percebeu? Olhe tudo. Pense bem. Que lugar é este? Você já ouviu falar em Caronte? Quer que eu refresque sua mente?  No fundo você sabe. Você é um homem inteligente, esperto, vivido. Homem? Não mais, todavia muito astuto.

O senhor quer dizer que eu estou morto? Não, isso é apenas um pesadelo, logo acordarei e voltarei a minha vida de cangaceiro. Não posso deixar meus homens lá no sertão sozinho sem minha liderança. O que serão deles?

Lampião, chegou a grande hora para você. Lembra-se de quantas pessoas suas mãos mataram? Você não se lembra, mas estão todas anotadas neste caderno, e que caderno grande, muitas folhas corridas. Só dei uma olhada e vi que são muitas mortes. Você está enrolado até o pescoço.

Pelo jeito meu destino já está traçado. Mas fui obrigado a matar, fui obrigado a assumir um posto de cangaceiro. O senhor mesmo sabe que no sertão a vida é difícil. Lá ou mata ou morre.

Sei como são as coisas por lá. Mesmo assim nada justifica o que você fez. Tem muita gente por lá que padeceu bem mais que você e nunca matou um semelhante. Tudo o que você fez de bom ou de ruim está neste caderno. O que o levou a agir assim, agora não interessa mais, o que nos interessa é o que foi feito por você.

Lascou! E meus companheiros, onde estão? Morreram também?

Até na morte deles você tem sua culpa, pois foi você que os colocou na vida de cangaceiro. Lampião, Lampião, não queria está em sua pele neste momento. Aqui temos duas portas: a azul e a vermelha. Você teve sorte, Deus o Todo Poderoso resolveu ser generoso com você, não merecia, resolveu lhe dá a opção de escolher entre estas duas portas. Pelos seus crimes, já era para estar queimando no fogo eterno do inferno. Contudo, Ele resolveu lhe conferir mais uma oportunidade.

Eu sei que meu senhor Jesus Cristo não iria me abandonar. Sempre tive o maior respeito por Ele. Ele sabe disso. Dele e de meu Padrinho Padre Ciço. Todos os dias fazíamos orações. Nossa Senhora sabe bem.

Parece que este ato seu contou muito na decisão do Todo Poderoso. Mas isso não quer dizer que sua vida será de luz, longe disso, para alcançar a luz você terá que trabalhar muito. Expiar os seus milhares de pecados não será tarefa fácil, irá demorar um bom tempo. Pelo menos você tem uma insignificante luz no final do túnel. Você poderá escolher. Você tem nas mãos o seu destino.

Quer dizer que eu não irei para o inferno? Nossa Senhora ouviu minhas preces! Eu não iria aguentar ficar em um lugar assim por muito tempo, tudo parado, nada para fazer, nada para contemplar, um tédio só.

Diante dos seus olhos têm duas portas: uma na cor azul e a outra na cor vermelha. Qual dela você vai escolher para entrar? Acalme-se! Não tenha pressa na sua escolha. Não seja precipitado. Você tem todo o tempo do mundo, ou da eternidade. Primeiro você precisa saber o que o aguarda em cada uma delas.

Verdade. Como elas estão fechadas, não sei o que há lá dentro. Eu quero ir para o Céu.

Será, Lampião? O Céu não é esse paraíso todo que pregam lá na Terra, não. Cuidado. Para o Céu só vão aqueles seres que estão dispostos a enfrentar rotinas pesadas, sofrer, estudar, ser firme…

Como? O Céu não é o paraíso celeste, não? Agora lascou de vez. Sempre pensei bem do Céu. E como é o inferno? Será se é pior do que o Céu? Se for, então a coisa é feia. Agora eu entendo o ditado: Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.

Vou abrir a porta do inferno para você ver como é lá dentro. Não! Primeiro abrirei a porta do Céu. Azul, por favor, abre-se e revele-se a Lampião.

E o Céu abriu aos olhos de Lampião. Dentro um punhado de pessoas trabalhando constantemente em vários setores, estudando. Todos aparentemente felizes, porém com a fisionomia cansada. Parecia que o trabalho e o estudo ali dentro eram eterno, jamais se findavam. Lampião recuou um pouco, pasmo, de queixo caído. O Céu lhe obrigaria a trabalhar dia e noite, noite e dia, sem parar, sem descanso. Aquele lugar não agradou, deixou Lampião preocupado.

Viu, Lampião, um pouco do que você irá encontrar no Céu? No céu não há lugar para preguiça, para badernas, para festas, apenas para trabalho e estudo, os dois atributos que dignificam a alma. Se você deseja ser uma alma de luz precisará sofrer para alcançar este estado, lá só se consegue avançar com esforço próprio. Está preparado para o Céu? O Céu verdadeiro não é o Céu que foi pintado pela religião lá na Terra, o Céu verdadeiro é este que lhe apresento.

Se o Céu é assim tão duro, como não será o inferno. Não quero nem ver.

Acalme-se, homem. O Inferno não é como foi pintado pelas religiões lá onde você estava. Para muitos o inferno é o paraíso. Seus companheiros estão todos lá dentro, e estão felizes. Vermelha, por favor, abre-se.

Ao descortinar, lá do interior veio imagens inacreditáveis. O lugar parecia estar em festa eterna. Mulheres dançando. Bebidas, muitas bebidas. Pratos deliciosos. Muitas joias e roupas de luxo. Música em volume alto. Luzes a perder de vista. Tapete a forrar todo o chão. Uma legião de pessoas a sumir no horizonte. Seria um carnaval que tem a duração do ano todo e se repete ano após ano no infinito.

Pelo jeito você já fez sua escolha, Lampião. Seus olhos brilham. É ou não é o paraíso o inferno? Pode entrar. Vá curtir com os seus amigos. Maria de Déia está a lhe esperar. E quando você se fartar de tudo isso, Deus ainda lhe dá a oportunidade de mudar de ideia e ir se reabilitar no Céu. Experimente o inferno, depois se não gostar venha para o Céu. No inferno pode tudo, no Céu você terá que cumprir com a rotina. Tinha me esquecido de lhe avisar: você pode escolher o inferno e depois ir para o Céu, contudo nunca o contrário. Quem escolhe o Céu jamais poderá experimentar o inferno. Chegou o momento da sua escolha. Vermelha ou azul?

Depois de tudo que vi e ouvi do senhor, sabendo que meus companheiros estão no inferno, vou ficar com eles por um tempo. Quem sabe no futuro eu pense em ir sofrer no Céu. Pelo que vi, vou ficar no inferno o resto da minha vida.

Pela eternidade, você quis dizer. A vida não tem fim. Entre e vá desfrutar das alegrias inebriantes do inferno.

E Lampião foi ter com seus amigos mortos no inferno. Lá também ele encontrou seus inimigos. Em meio a tudo que já foi dito, o inferno se transformou em um novo cangaço. Tudo pode no inferno, tudo, absolutamente tudo.

Deus é mesmo o Ser mais inteligente que sempre existiu. Para a alma que deseja alcançar o Céu muito trabalho e estudo. Para os preguiçosos os prazeres da carne, no entanto para as almas tais prazeres não preenchem os espaços vazios da mente e do coração. Aqueles que escolhem o inferno, apenas prorrogam a ida para o Céu, pois cedo ou tarde irão se enfadar da vida mundana.

Autor: Luiz Carlos Marques Cardoso.

Artigo anteriorCerca de Quiabento
Próximo artigoPista na Mata
Luis Carlos Billhttps://focadoemvoce.com/
Luiz Carlos Marques Cardoso (Bill) trabalha de forma amadora com fotografia e filmagem. Ele gerencia atualmente dois sites: um de notícias e um pessoal. Está presente nas redes sociais, como no Instagram e Facebook, e tem um canal no YouTube com uma variedade grande de vídeos referentes à região da Chapada Diamantina e do Sertão brasileiro. Sua formação profissional é a de Contador.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Fique Conectado

5,996FãsCurtir
3,600SeguidoresSeguir
105,000InscritosInscrever

Anuncie Aqui

Anunciando sua marca, produto ou serviço nesta página você terá a garantia de visibilidade entre usuários qualificados. São mais de 15.000 usuários únicos e 200.000 visualizações mensais.

Mais Artigos