26.4 C
Paramirim
23 de setembro de 2023
Início Sem categoria A Crise bateu em minha porta

A Crise bateu em minha porta

crise-economica

– Ô, de casa! Ô, de casa! – alguém grita na porta de entrada da residência de José.

– Quem será a esta hora? – indaga José. – Não posso nem mais assistir meu jornal tranquilo que vem gente me aperrear. Quem é?

– Sou eu.

– Eu quem, diabo?

– Eu. Deixe de frescura e abra logo esta porta.

– Não vou abrir a porta para estranho não.

– Eu não sairei daqui enquanto o senhor não abrir esta porta. Tenho muito tempo, vou esperar.

– Tá certo, tá certo. Vou abrir.

O dono da residência colocou a chave na fechadura, deu duas rodadas em sentido contrário, abaixou o trinco, a porta foi aberta devagar.

– O que você quer comigo a esta hora? Quem é você mesmo?

– Sou a Crise.

– Crise? Isso é nome de gente?

– A Crise chegou, José. Vamos sentar, pois teremos uma longa conversa.

– Você é louco?

– Deixe de fazer tantas perguntas, homem. O senhor sabe o que significa Crise?

– Mais ou menos.

– Quando a Crise chega a algum lugar, muito se perde. Por exemplo, aquela mesa com café e bolos, a metade agora é minha.

– Sua?

– Da Crise. A Crise cobra o que lhe é devido.

– Se você tem fome, então pode se servir.

– Quanto de dinheiro você tem guardado?

– Sai fora. Negócio de querer saber quanto eu tenho debaixo do colchão.

– De imediato levarei trinta por cento. A conta de água e de luz, neste mês, ficarão sem ser pagas. O carrinho do supermercado somente terão os produtos básicos. Carne apenas aos domingos.

– Que conversa fiada é esta?

– Seu emprego agora me pertence. Pertence a Crise.

– Você é louco varrido, só pode.

– Atenda o telefone.

– Como?

O telefone em seguida badalou.

– Atenda, José. Alguém tem uma notícia muito importante para lhe dá.

– Alô. Patrão. Como? Pedi o emprego. Por quê? Por causa da Crise? O que eu irei fazer agora? Dá meus pulos? Mas eu não sou sapo não. Desligou o telefone. Perdi meu emprego.

– José, acredite, o senhor está diante da Crise. Não tem como fugir de mim. Após tomar um pouco do seu café e levar trinta por cento dos seus bens, vou descansar na sombra daquele frondoso juazeiro. Reze e trabalhe muito para que um dia eu me canse e sigo para outro lugar. Vou lhe dá um conselho de bom amigo: em tempo de Crise, todo cuidado é pouco. Se fizer corpo mole, recusar trabalho, talvez eu até me engrace com a sua esposa. Se a Crise for pesada, levarei seu carro e a sua casa. Em tempo de Crise, a única certeza é a da incerteza constante.

– Maldita hora que eu fui abrir aquela porta.

– Se minha fome for gigante, até sua vida arrancarei de você.

– Até minha vida?

– Terei o maior prazer. Cuide-se bem, pois estou a todo instante lhe olhando. A Crise adentrou por aquela porta, José; tudo agora poderá acontecer.

– Você irá ficar debaixo do juazeiro?

– Sim. Mas se meu sono for pesado, se houver muito desconforto, amanhã quem sabe eu lhe cobro um quarto de sua confortável residência. Com o tempo poderei tomar até a sua cama, e se tiver fazendo muito frio, dormirei com a sua amada esposa.

– Vou pegar minha espingarda para lhe dá um tiro.

– Aquela espingarda já me pertence. Bala está cara, contratar um bom advogado custa bastante dinheiro. Cuidado com a Crise, José.

– Com tudo isso já tenho até dor de cabeça.

– É bom o senhor se acostumar logo com essas dores, enquanto eu não for embora, ela será sua parceira dia e noite. Vou para a sombra do juazeiro, meio-dia o senhor leve o meu almoço. Pouco sal. Suco de limão com uma colherzinha de açúcar.

A Crise se acomodou primeiro no terreiro, breve tomará a casa. José perdeu a paz, perdeu o emprego, com os dias foi comendo o que adquiriu durante muitos anos. A Crise ainda não foi embora, continua rondando a morada. José é forte e usa todas as suas armas para afugentá-la, o duelo é difícil, contudo ele já enfrentou outras Crises piores, é um Sertanejo vencedor. O presente é o presente; ninguém sabe o que virá no futuro; o passado já passou, o bom é que ele deixou as experiências para enfrentar os novos desafios.

– Maldita hora que esta Crise veio bater em minha porta.

– José, por favor, um copo com água gelada – grita a Crise na sombra do juazeiro. – Está um calor que até a Crise se esfria com um copo d’água.

– Já vou, já vou!

Crônica de Zé do Bode.

Luis Carlos Billhttps://focadoemvoce.com/
Luiz Carlos Marques Cardoso (Bill) trabalha de forma amadora com fotografia e filmagem. Ele gerencia atualmente dois sites: um de notícias e um pessoal. Está presente nas redes sociais, como no Instagram e Facebook, e tem um canal no YouTube com uma variedade grande de vídeos referentes à região da Chapada Diamantina e do Sertão brasileiro. Sua formação profissional é a de Contador.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Fique Conectado

5,996FãsCurtir
3,600SeguidoresSeguir
105,000InscritosInscrever

Anuncie Aqui

Anunciando sua marca, produto ou serviço nesta página você terá a garantia de visibilidade entre usuários qualificados. São mais de 15.000 usuários únicos e 200.000 visualizações mensais.

Mais Artigos